VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
Palpites de Mãe

André chegou para a alegria da família

Bebê nasceu no último dia 15 de agosto cheio de saúde.


Danibat Fotografia/Divulgação
Família completa: Paloma, Luis Felipe e o pacotinho André
A Paloma interrompeu a sua licença maternidade para nos contar como foi o dia mais especial. Confira como foi o nascimento do André.

Então chegou o dia marcado pela médica obstetra para irmos ao hospital. Confesso que as 48 horas que antecederam foram um misto de felicidade e saudade de estar grávida e, claro, uma pitada de medo pelo desconhecido. Como sabem, tive diabetes gestacional. Assim, o parto do André foi marcado para a 39ª semana de gestação.

Como ele estava posicionado (ou seja, de cabeça para baixo), mas não encaixado (no canal para nascer), optei por tentar induzir o parto normal. Cheguei às 7 horas ao hospital, como combinado com a médica, e sabia que, se nada acontecesse, ele nasceria de cesárea, às 20 horas (previamente marcada).

O processo

Preparação, monitoramento do bebê, acesso venoso para a entrada da ocitocina cinética - um hormônio produzido pelo corpo na hora do parto, que provoca contrações, fazendo assim a dilatação, e estimulando o bebê a nascer (em uma explicação a grosso modo).
Tentamos por cerca de cinco horas que eu tivesse as contrações. Sim, eu tentei provocar a tal dor que muitas mulheres têm medo, para que o André nascesse sem intervenção cirúrgica, mas não tive o resultado esperado.

Não senti a dor, não tive dilatação e, em concordância com a minha médica, Clarissa do Amaral, decidimos antecipar a cesárea para a tarde, já que naquele dia, poucos bebês resolveram nascer, deixando o ambiente mais tranquilo.

A cirurgia


Arquivo Pessoal
André nasceu com 3,860 kg e 51 centímetros
Sempre pensei que o nascimento do meu filho seria da melhor forma para ele e para mim. Tenho a sensação de dever cumprido. Fiz minha parte, tentei o parto normal e não consegui. Paciência.

Meu maior medo, agora, era a anestesia. Agulha nas costas não era algo que me deixava confortável. Era só preconceito. Além de não ter sentido dor, foi tudo muito rápido, sem reações e com boa recuperação.

Pano na frente, pernas adormecidas, tudo certo. Vamos lá.

O nascimento



Danibat Fotografia/Danibat Fotografia/Arquivo Pessoal
Bebê chegou para completar a família
André nasceu às 15h49, pesando 3,86kg e 51 centímetros. Meu marido, Luis Felipe, ficou o tempo inteiro comigo, acompanhou tudo. Posso garantir que confiar na equipe médica e ter o apoio de quem se ama, faz toda a diferença.

A emoção é indescritível. Parece até clichê, mas ouvir o choro pela primeira vez é a emoção mais pura que já senti.

Nossa recuperação está ótima. André hoje tem 10 dias de vida e as descobertas são muitas... Amamentação, cuidados.

Porém, agora, é hora de dedicação total ao pequeno. Na volta da licença maternidade, continuo contando minhas experiências. Até.

Por que eternizar o barrigão

Momento único na vida da mulher em clicks.

Danibat Fotografia/Divulgação
Detalhe faz toda a diferença. Mostrando a "sementinha".
Uma das únicas coisas que eu tinha certeza que queria fazer quando estivesse grávida era um ensaio fotográfico. Claro que isso tem a ver com a forma com que gosto desta arte e com a minha percepção de eternizar momentos. Porém, sei de muitas mulheres que acabam não gostando do corpo neste momento e preferem não ter muitos registros. Tudo aumenta, é fato! Não vou dizer que não me sinto “desengonçada” muitos dias. Nesta reta final o corpo começa a doer, mas posso afirmar que tudo vale a pena ser vivido e registrado.

Em um sábado ensolarado, subi a serra com o pai do André, Luis Felipe, para posarmos para as lentes da amiga e fotógrafa Daniela Battastini (conhecida como Danibat). Ela foi a primeira pessoa fora da minha família a saber que estava grávida, justamente por conta da sua agenda de trabalho.

Tudo foi muito simples. Sem grandes figurinos, com um cenário de “cidade pequena e arborizada” valorizando o que me é mais importante agora, a gestação.

Vida crescendo

Confiar no profissional que vai fazer as fotos e se deixar ser dirigida faz toda a diferença para o resultado final. O pequeno broto de uma planta, virou o símbolo da vida crescendo na minha barriga. Pode parecer bobo para quem não passou por esta experiência, mas posso garantir que é assim que me sinto, com mais vida.

No meu caso, as fotografias serviram ainda para eu me ver mais bonita nesta fase. Por isso, se posso deixar mais uma dica para as mães de primeira viagem, assim como eu, digo que façam imagens. Registrem o momento, se valorizem nesta fase.

Danibat Fotografia/Divulgação
Papais felizes com a chegada do pequeno
Olhar atento

A fotógrafa Danibat revela que ensaios de gestantes sempre são diferentes, por conta da interação da mulher com o seu próprio corpo e com um ser que ainda está dentro dela. “Além disso, minha infância foi marcada pelo depoimento da minha mãe, dizendo que nunca se sentiu tão bonita e tão valorizada na sua vida, como quando nas suas duas gestações”, lembra. Mãe de Anita, ela revela que também se sentiu especial quando estava grávida e que são estas experiências que tenta levar para os seus clicks. “Tento fazer com que tudo se torne realmente único.”

Hora de puxar o freio de mão

Depois de um susto é hora de ficar em casa.

Arquivo Pessoal
Depois do susto, muito repouso
Esta é a segunda semana que estou “de molho”. Tinha programado trabalhar até a 38ª semana de gestação e isso seria lá em agosto. Porém, um susto me fez puxar, literalmente, o freio de mão.

No último dia 10, estava na Redação do jornal, após o almoço, quando um desconforto me assustou. Uma forte dor embaixo da barriga me fez pensar que algo muito errado estava ocorrendo. A sensação ruim, como uma cólica menstrual, me fez ter o primeiro medo como mãe (e dizem que terei muitos outros, principalmente quando o André já estiver fora da barriga).

Conversei com a chefe. Meus colegas viram no meu semblante a dor e o susto. Fui embora. Dirigir os cerca de 30 quilômetros que distanciam minha casa do jornal, chorando, não foi uma boa experiência. Para que entendam, a moça aqui faz o estilo durona. Assim, a vontade de chorar fez o medo de ter algo errado, aumentar ainda mais.

Conversa com a médica

A tecnologia é algo que realmente aproxima. Com dor, chamei minha obstetra pelo WhatsApp. A médica, Clarissa Amaral, me prescreveu remédio, pediu para verificar a pressão arterial e, caso não passasse, que procurasse a emergência do hospital.

Cheguei em casa, a pressão estava “ok” (110x70). Por um momento, senti um calorão e dor na nuca, me fazendo pensar que ela teria subido, o que é péssimo para as gestantes. Tomei o remédio indicado, fiz repouso e cerca de quatro horas depois, aparentemente, estava melhor. Mas, o motivo de ter sentido tudo aquilo, ainda me intrigava.

No consultório

Pouco menos de uma semana antes do relatado, havia tido minha consulta mensal com a obstetra. Como devem imaginar, jornalista pergunta muito, assim, cada consulta é uma entrevista. Nesta última, a médica me explicou como seria uma contração, o rompimento da bolsa e tantas outras coisas que uma mãe de primeira viagem precisa saber nesta reta final da gravidez.

Com o susto, voltei ao consultório e, depois de exames, escutar o coração do André bem e ter mais orientações, fiquei mais aliviada. Senti as dores por mais alguns dias, intercalados. Com isso, sinto a certeza de que preciso desacelerar.

De tudo, uma afirmação está gravada na minha cabeça. O André tem que se mexer. Isso ele faz bastante – o que revela que está bem. As modificações no corpo e no peso, estão pedindo um novo comportamento, que será necessário a partir de agora.

Volto à Redação na próxima semana, com cada vez mais certeza de que nada será como antes, após passar por esta experiência da gestação.

Dando uma volta de avião, grávida

Com cuidado, viajar no terceiro trimestre é permitido.

Arquivo Pessoal
Passeio com o papai Luis Felipe, na Escada Selaron, ligação dos bairros da Lapa e Santa Teresa
Nunca tive nenhum problema em viajar de avião, mas confesso que grávida, alguns questionamentos passam pela cabeça. A preocupação, claro, era com o bem-estar do André. Com 31 semanas, me sinto muito bem. Assim, fui conversar com a minha ginecologista, Clarissa Amaral, para saber se a viagem até o Rio de Janeiro era permitida. Por ser uma voo curto, acreditava que não teria problemas.

Regras

Ela me explicou que tudo depende de como a gestação “caminha”. Há gestantes que não podem viajar no primeiro trimestre, por risco de aborto. No terceiro trimestre, complicações como pressão alta e sangramentos, por exemplo, podem ter que fazer com que a viagem fique só para depois, quando o bebê puder embarcar. No meu caso, como não havia nenhum problema, recebi um atestado médico liberando o voo.

Domésticos

Para viagens dentro do país não há legislação. Assim, cada companhia aérea pode ter suas próprias regras para o embarque de grávidas. No momento de comprar, não há questionamentos sobre “estar grávida”, porém, no balcão, ou até mesmo na hora do embarque, a companhia pode lhe pedir documentação para deixar que faça a viagem. Assim, o importante é estar bem informada com relação as exigências da empresa pela qual ir voar.

Internacionais

A ginecologista Clarissa ainda comenta que voos longos não são permitidos para gestantes com mais de 34 semanas. “Já é sabido que não há risco de parto prematuro por conta da pressão, porém, esta regra serve para a segurança das companhias, já que o grande tempo de voo pode trazer desconforto para a gestante”, explica.