Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Cachoeirinha POLÍTICA

Eleição suplementar movimenta os bastidores da política em Cachoeirinha

Apesar de votação ainda não ter data definida pelo TRE, pré-candidatos a prefeito começam a se movimentar em busca de apoio

Por Juliano Piasentin
Publicado em: 29.05.2022 às 17:00 Última atualização: 29.05.2022 às 21:04

Ainda sem data definida pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), a eleição suplementar para prefeito e vice de Cachoeirinha já movimenta o tabuleiro político local. Após a cassação da chapa Miki Breier (PSB) e Maurício Medeiros (MDB), vencedora em 2020, o TRE tem 90 dias para definir quando o novo pleito será realizado, ou seja, a decisão precisa sair até 19 de julho.

Rubens Otávio, David Almansa, Delegado João Paulo e Cristian Wasem
Rubens Otávio, David Almansa, Delegado João Paulo e Cristian Wasem Foto: Reprodução
Enquanto isso, políticos da cidade começam a costurar possíveis chapas e prospectar apoiadores. O prefeito em exercício, Cristian Wasem (MDB), conversa com o PDT, que tem a presença de três vereadores no Legislativo: Paulinho da Farmácia, Fernando Medeiros e Jordan Protetor. O primeiro inclusive é cotado para ser candidato a vice-prefeito. No entanto, o MDB cancelou sua convenção municipal depois de desgastes internos entre Cristian e Maurício.

Por outro lado, a oposição se apresenta com Rubens Otávio Ohlweiller (União Brasil) e Jacqueline Ritter (Cidadania). No pleito de 2020 eles foram derrotados por uma diferença de 318 votos e devem tentar novamente.

O terceiro colocado na eleição anterior, Delegado João Paulo (PP), volta a cogitar a candidatura e teria apoio do Solidariedade, do vereador Deoclécio Mello, com forte atuação na zona norte da cidade. A vaga de vice ficaria com a filha de Deoclécio, Aline Mello, que recentemente foi secretária nas gestões Miki Breier e Maurício Medeiros, saindo do Executivo após apontar supostas irregularidades no setor de compras.

Além destes, o vereador David Almansa (PT) também é cogitado como possível candidato. Ele teve 1.803 votos, alcançando o posto de vereador mais votado em Cachoeirinha. Ainda não existe articulação sobre o posto de vice, uma vez que a tendência seria o PT disputar a Prefeitura com chapa pura.

Defesa de Miki pede anulação

A defesa do prefeito cassado, representada pelo advogado André Lima de Moraes, apresentou no último dia 17 um recurso especial eleitoral ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pedindo efeito suspensivo da cassação por abuso de poder político e econômico nas eleições de 2020.

A apelação que foi encaminhada pode ter como consequência adiar a eleição suplementar na cidade. André Lima alega que, em caso de prosseguimento da cassação, acarretaria a marcação das eleições, trazendo “evidente dano gravíssimo, iminente e irreparável ao recorrente”.

O advogado afirma que não existem provas de abuso de poder econômico e político por parte do prefeito cassado. "Do cotejo analítico entre o trecho da decisão antes transcrito no qual o magistrado de 2º grau narra que não veio aos autos o ato do recorrente Miki Breier e a ementa acima transcrita que, por sua vez, exige a existência de prova de condutas graves e vedadas para haver abuso de poder político”, diz outro ponto.

O recurso ainda não foi julgado pelo TSE. 

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.