Publicidade
Opinião

Você foi feito de otário

Por Alexandre Aguiar
Publicado em: 09.09.2021 às 22:44 Última atualização: 09.09.2021 às 22:57

Jair Bolsonaro sempre foi um estelionato. Os seus opositores já sabiam desde muito antes das eleições de 2018. Com o seu governo catastrófico, muitos foram se dando conta ao longo do tempo. Agora, ficou muito claro para aquela diminuta parcela que ainda mantinha o apoio ao pior presidente da história republicana.

Você, bolsonarista, que em pleno feriado, sob forte chuva, trocou o conforto de casa para as ruas úmidas e molhadas, foi feito de otário. Os gritos de “mito”, “fecha o STF”, “intervenção militar já”, recebeu como recompensa uma humilhante carta de Jair Bolsonaro pedindo perdão ao STF e recuando de todas as bravatas que fez. Sob inspiração e conselhos de Michel Temer, o mais impopular dos presidentes e expoente do establishment que sugou o Brasil.

Os sinais já vinham na noite da quarta-feira, quando Bolsonaro enviou uma mensagem de áudio aos caminhoneiros, pedindo que liberassem as rodovias bloqueadas. Incitou, como em 2018, a rebelião caminhoneira para depois pedir que voltassem a trabalhar. Começou um incêndio e quando as chamas atingiram suas calças, tentou ser bombeiro. Os caminhoneiros da sua base, entretanto, não pretendiam recuar.

Atos em apoio do presidente Jair Bolsonaro em Brasília - 7 de Setembro Foto: Marcos Corrêa/PR

Bolsonaro é um monstro que criou uma monstruosidade chamada bolsonarismo e que se tornou maior que a sua pessoa. Uma ideologia de ódio, culto à ignorância e de desprezo ao saber, vulgar, preconceituosa, obscurantista e medieval em vários aspectos, conciliando o que há de pior no pensamento reacionário e importando o que de mais detestável existe em movimentos extremistas de direito e religiosos no exterior.

Formou-se o talibã brasileiro com apoio de pastores evangélicos picaretas, ruralistas endinheirados e ignorantes que sequer o vernáculo dominam, traders de bolsas de valores adoradores do dinheiro fácil, milicianos, garimpeiros e madeireiros que devastam nosso ambiente, e políticos do Centrão que só estão no Congresso para encher as burras de dinheiro público que Bolsonaro abasteceu como nunca.

Tudo isso massificado por uma rede de mídia alinhada que enriqueceu disseminando ódio político, mentiras que mataram pessoas na epidemia, e que colocou brasileiro contra brasileiro como se quem pensasse diferente fosse inimigo.

Pessoas de boa índole, tementes a Deus, trabalhadoras e honestas, caíram no golpe de Jair Messias Bolsonaro. A maioria. Não todos. Alguns sacavam fotos terça com o miliciano e corrupto Fabrício Queiroz como se fosse uma celebridade. Os de boa-fé acreditaram que Bolsonaro poderia ser um sopro de esperança após a roubalheira petista, mas, ao fim e ao cabo, Bolsonaro se mostrou pior. Irrigou os bolsos do Centrão, piorou a situação do Brasil e nos traz para a pior crise econômica em 20 anos que não se explica apenas pela pandemia. E vem aí a crise energética com falta de luz.

Bolsonaro, querido amigo bolsonarista, se a ficha ainda não caiu para você, apenas pense nos seus interesses e dos seus filhos investigados por corrupção e milícias digitais. Jamais foi Brasil acima de tudo, foi sempre “eu acima de todos”.

Lamento se você foi enganado. E lamento ainda mais se você deseja seguir sendo feito de bobo. O fanatismo político cega e traz ódio, da mesma forma que o religioso leva homens a matarem 3 mil jogando aviões contra edifícios, mas você tem tempo de desembarcar desta loucura.


O artigo publicado neste espaço é opinião pessoal e de inteira responsabilidade de seu autor. Por razões de clareza ou espaço poderão ser publicados resumidamente. Artigos podem ser enviados para opiniao@gruposinos.com.br
Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.